Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Palavras chave

Últimos assuntos
» POR QUE AS PESSOAS ABANDONAM A “IGREJA”
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptyTer Jan 20, 2015 1:28 pm por Jardim Regado

» Para que são os "sinais"?
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptySeg Out 27, 2014 8:03 pm por Jardim Regado

» Fórum - Transformando "igrejados" em "desigrejados"
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptySeg Jul 28, 2014 5:29 pm por rasabino

» O Evangelho Vive #25
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptyQua Jun 11, 2014 5:00 pm por Jardim Regado

» Desabafo 3
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptySex Maio 16, 2014 7:48 pm por rasabino

» Desabafo 2
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptySex Maio 16, 2014 7:47 pm por rasabino

» Desabafo 1
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptySex Maio 16, 2014 7:46 pm por rasabino

» O Evangelho Vive #24
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptyTer Abr 22, 2014 9:10 pm por rasabino

» O Evangelho Vive #23
O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? EmptyTer Abr 22, 2014 4:41 pm por rasabino

Agosto 2019
SegTerQuaQuiSexSabDom
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031 

Calendário Calendário

Parceiros
Fórum grátis


O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja?

Ir em baixo

O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? Empty O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja?

Mensagem por rasabino em Ter Set 17, 2013 7:06 am

Olavo de Carvalho é escritor e filósofo. Abaixo um trecho dos seus inúmeros pensamentos escritos. Percebam a semelhança arquetípica entre o homem "espiritual" (realista) e o homem "carnal" (ideologista):

O homem realista, sincero consigo próprio, direto e eficaz nas palavras e ações, é que se torna um tipo isolado, esquisito, alguém que se deve evitar a todo preço e a propósito do qual circulam cochichos à distância.

Meu amigo Andrei Pleshu, filósofo romeno, resumia: “No Brasil, ninguém tem a obrigação de ser normal.” Se fosse só isso, estaria bem. Esse é o Brasil tolerante, bonachão, que prefere o desleixo moral ao risco da severidade injusta. Mas há no fundo dele um Brasil temível, o Brasil do caos obrigatório, que rejeita a ordem, a clareza e a verdade como se fossem pecados capitais. O Brasil onde ser normal não é só desnecessário: é proibido. O Brasil onde você pode dizer que dois mais dois são cinco, sete ou nove e meio, mas, se diz que são quatro, sente nos olhares em torno o fogo do rancor ou o gelo do desprezo. Sobretudo se insiste que pode provar.

Sem ter em conta esses dados, ninguém entende uma só discussão pública no Brasil. Porque, quando um brasileiro reclama de alguma coisa, não é que ela o incomode de fato. Não é nem mesmo que exista. É apenas que ele gostaria de que existisse e fosse má, para pôr em evidência a bondade daquele que a condena. Tudo o que ele quer é dar uma impressão que, no fundo, tem pouco a ver com a coisa da qual fala. Tem a ver apenas com ele próprio, com sua necessidade de afeto, de aplauso, de aprovação. O assunto é mero pretexto para lançar, de maneira sutil e elegante, um apelo que em linguagem direta e franca o exporia ao ridículo.

Esse ardil psicológico funda-se em convenções provisórias, criadas de improviso pela mídia e pelo diz que diz, que apontam à execração do público umas tantas coisas das quais é bom falar mal. Pouco importa o que sejam. O que importa é que sua condenação forma um “topos”, um lugar-comum: um lugar no qual as pessoas se reúnem para sentir-se bem mediante discursos contra o mal. O sujeito não sabe, por exemplo, o que são transgênicos. Mas viu de relance, num jornal, que é coisa ruim. Melhor que coisa ruim: é coisa de má reputação. Falando contra ela, o cidadão sente-se igual a todo mundo, e rompe por instantes o isolamento que o humilha.

Essa solidariedade no fingimento é a base do convívio brasileiro, o pilar de geleia sobre o qual se constroem uma cultura e milhões de vidas. Em outros lugares as pessoas em geral discutem coisas que existem, e só as discutem porque perceberam que existem. Aqui as discussões partem de simples nomes e sinais, imediatamente associados a valores, ao ruim e ao bom, a despeito da completa ausência das coisas consideradas.

_________________
No amor,

Roberto A. Sabino
Blog O Evangelho Vive
rasabino@yahoo.com.br
(044)9805-7891
rasabino
rasabino

Mensagens : 215
Data de inscrição : 18/03/2013

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja? Empty Re: O homem "realista" seria o homem "espiritual" da Igreja?

Mensagem por Jardim Regado em Ter Set 17, 2013 8:07 pm

Nossa, escrevi algo que tem a ver com este assunto: http://janetecardoso.blogspot.com.br/2013/05/sobre-necessidade-de-se-encaixar.html

Enquanto a maioria (carnal) precisa estar inserido no pensamento comum, o espiritual, que não sente essa necessidade de se enquadrar no bolo, é visto quase como uma ameaça rsrs Ser coerente e assertivo é quase como uma loucura que precisa ser mantida à distância. Por isso a gente sobra!Laughing 

_________________
"Serás como um jardim regado e como um manancial, cujas águas nunca faltam Is 58:11b"

http://janetecardoso.blogspot.com.br/
Jardim Regado
Jardim Regado

Mensagens : 223
Data de inscrição : 17/03/2013
Idade : 47
Localização : Belo Horizonte

Ver perfil do usuário http://janetecardoso.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum